domingo, 10 de junho de 2012

MORREU HOJE MARIA KEIL – AOS 98 ANOS (1914-2012)


MORREU HOJE MARIA KEIL
AOS 97 ANOS (1914-2012) 

MARIA KEIL – BIOGRAFIA 

Maria Keil nasceu em Silves no dia 9 de Agosto de 1914 e faleceu em Lisboa em 10 de Junho de 2012.

Frequentou o curso de Pintura da Escola de Belas Artes de Lisboa, onde foi aluna de Veloso Salgado.

Em 1933 casou com o arquitecto Francisco Keil do Amaral (Francisco Caetano Keil Coelho do Amaral) e mãe do também arquitecto Francisco (Pitum) Pires Keil do Amaral. 

Tem uma obra vasta e multifacetada: pintura, sobretudo retratos; publicidade; tentativas de renovação da talha em madeira para móveis e desenho de móveis; decoração de interiores; cartões para tapeçarias (Hotel Estoril Sol, TAP de Nova Iorque, Copenhaga, Madrid, Casino Estoril, etc.); pinturas murais a fresco; cenários e figurinos para bailados; selos; azulejos (Metropolitano de Lisboa, Av. Infante Santo, TAP de Paris e Nova Iorque, União Eléctrica Portuguesa, Casino de Vilamoura, Aeroporto de Luanda, etc.); e ilustração.

Neste campo tem ilustrado numerosas obras, nomeadamente livros para crianças: A noite de Natal, de Sophia de Mello Breyner Andresen; O cantar da Tila, As botas de meu pai, O cavaleiro sem espada, História de um rapaz, Joana Ana, O palhaço verde e Segredos e brinquedos, todos de Matilde Rosa Araújo; Histórias da minha casa, Histórias da minha rua e Histórias de pretos e brancos, de Maria Cecília Correia; O livro de Marianinha, de Aquilino Ribeiro; A Primavera é o tempo a crescer, O Outono é o tempo a envelhecer, O Verão é o tempo grande, O Inverno é o tempo já velho, de Maria Isabel César Anjo; A abelha Zulmira, de Teresa Balté; O lago dos cisnes e A banhoca da baleia, de Alexandre Honrado; Lote 12 2.º frente, de Alice Vieira; e Do lado de cá das fadas, de Graça Vilhena.

Ilustrou outras obras entre elas: Começa uma vida, de Irene Lisboa; Páscoa feliz, de José Rodrigues Miguéis; Ode (quase) marítima, de Augusto Abelaira; Retta ou os ciúmes da morte, de Ilse Losa; Folhas caídas, de Almeida Garrett; Contos tradicionais portugueses; O livro das mil e uma noites; Romanceiro geral do povo português; Metade comédia metade drama, de Francisco Keil do Amaral. Fez desenhos para as colectâneas sobre Bernardim Ribeiro, Castro Alves, Olavo Bilac e Tomás António Gonzaga, integradas na colecção As mais belas poesias da língua portuguesa.

Escreveu e ilustrou três livros para crianças e dois para adultos: O pau-de-fileira, Os presentes e As três maçãs; Árvores de domingo e Anjos do mal.

Fez também ilustrações para revistas, nomeadamente Panorama, Seara Nova, Vértice, Ver e crer e Eva.

As suas obras têm sido vistas em exposições, individuais e colectivas.




Maria Keil no BDjornal #4 - Entrevista com Clara Botelho e Pedro Leitão


AMANHÃ, NOVO POST SOBRE MARIA KEIL
Com a Entrevista publicada no BDjornal #4 e fotos da autora na Tertúlia BD de Lisboa
O post com o texto de Miguel Lameiras sobre Sangue Violeta fica para terça-feira.

________________________________________________





 
Locations of visitors to this page